Tudo o que você precisa saber sobre a odontologia hospitalar no Brasil

Aos poucos, os hospitais brasileiros passam a contar com serviços de Odontologia, ampliando as possibilidades para inúmeros pacientes. Os profissionais, no entanto, ainda precisam ir atrás de formações mais especializadas para que possam se adequar às práticas realizadas nesses ambientes. Com isso, a odontologia hospitalar no Brasil, passa a ser mais valorizada e o aprimoramento técnico evolui graças à integração multidisciplinar e a novos recursos tecnológicos.

Normalmente, os pacientes que são atendidos por dentistas em hospitais não têm condições de serem atendidos em clínicas especializadas. Isso se deve a algumas razões em particular, como o estado de saúde ou a carência de profissionais treinados para o seu caso. No hospital, o trabalho e a responsabilidade são compartilhados entre cirurgiões-dentistas, médicos e as equipes que eles têm à disposição.

Para muitos pacientes, contar com serviço odontológico em um hospital é muito mais valioso. É o caso de pessoas que possuem alguma enfermidade sistêmica. Como estarão em um ambiente mais adequado, poderão ter uma recuperação mais rápida. Pacientes em regime de convalescença ou em tratamento de doenças específicas têm à disposição mais recursos. Caso aconteça alguma situação de emergência, há equipes qualificadas e aparelhos específicos para sua situação. Assim como o atendimento de cirurgiões-dentistas nas UTIs.

Vamos falar muito mais sobre esse assunto. Acompanhe.

Origem da Odontologia Hospitalar

A odontologia hospitalar não é nova no Brasil. Na segunda metade do século XIX já havia esforços para implementar um modelo deste na América. Os Drs. Simon Hullihen e James Garretson já trabalhavam para que a prática profissional nesse ambiente fosse reconhecida. Com o passar do tempo, o modelo começou a ter novos adeptos. A Associação Dental Americana e a própria comunidade médica de uma forma geral passou a apoiar o movimento nas décadas seguintes.
origem-da-odontologia-hospitalar-no-brasil

Foi a Associação Brasileira de Odontologia Hospitalar, a ABRAOH, que especificou como se daria esta ação hospitalar. Ela estabeleceu objetivos claros para os profissionais da odontologia que iriam atuar nesses ambientes. Eles deveriam acompanhar as tendências da área de saúde de uma maneira geral, se integrar com os colegas para atingirem os objetivos médicos, educar o paciente, serem eficientes na resolução dos processos e valorizar o nicho de mercado em que atuam.

Mais tarde, as resoluções para o exercício da odontologia em ambiente hospitalar aparecem no Código de Ética Odontológico. No capítulo IX está escrito que o cirurgião-dentista pode decidir internar e assistir pacientes nos hospitais públicos e privados. Esses ambientes podem ser de caráter filantrópico, cabendo ao profissional agir de acordo com as normas locais. No artigo 19 está escrito que as atividades dos dentistas precisam obedecer as normas do Conselho Federal, e no artigo 20 há a informação de que qualquer intervenção cirúrgica fora da área odontológica constituirá infração ética.

A partir dessas metas claras, foi possível iniciar um trabalho sólido de odontologia hospitalar no Brasil. E é esse trabalho inicial que deu origem ao movimento que vemos hoje. Conheça também o Projeto de Lei da Câmara n° 34/2013, que tem como objetivo, tornar obrigatória a prestação de assistência odontológica a pacientes em regime de internação hospitalar, aos portadores de doenças crônicas e, ainda, aos atendidos em regime domiciliar na modalidade home care.

A função da Odontologia Hospitalar

Ao falarmos em Odontologia Hospitalar, a maioria das pessoas irá pensar apenas em profissionais da odontologia trabalhando em hospitais. No entanto, as atividades que competem essa área são muito maiores, e a proporção da atividade vai muito além das intervenções cirúrgicas.

Na verdade, a odontologia hospitalar é uma prática complexa, pois cuida dos casos mais exigentes. Os pacientes que possuem alterações bucais e que necessitam de procedimentos difíceis e de equipes multidisciplinares são levados aos hospitais que contam com serviços odontológicos. Ou seja, quando um paciente passa a ser tratado em um ambiente assim, significa que a observação e os cuidados dizem respeito ao seu corpo, e não somente às áreas bucais.

Como o organismo humano precisa estar em estado de harmonia para ter saúde, é preciso que os profissionais foquem na manutenção dessa saúde geral, e não somente da sua boca.

a-presenca-do-cirurgiao-dentista-na-uti

O trabalho em ambiente hospitalar

Em um hospital, o paciente precisa ter um tratamento integral. Dessa forma, uma das tarefas dos profissionais de saúde que atuam nesses ambientes é utilizar suas especialidades de maneira integrada. Essa inter-relação dos conhecimentos é fundamental para o andamento dos tratamentos.

Em todo caso, o trabalho em equipe vem se desenvolvendo no âmbito dos serviços de saúde e, dessa forma, os profissionais da saúde devem estar conscientes de que as especialidades devem se inter-relacionar para o tratamento integral do paciente.

Conheça mais sobre oportunidades e conquistas da Odontologia Hospitalar.

Problemas enfrentados pelos profissionais de Odontologia Hospitalar no Brasil

Apesar de a odontologia hospitalar ter dados os primeiros e mais importantes passos, ainda enfrenta muitos problemas. 

Uma das razões é a dificuldade dos profissionais em realizar a integração como se deve ser. Normalmente a medicina acaba prevalecendo sobre as outras profissões em posições chave, como na liderança das equipes. Isso compromete a almejada multidisciplinaridade que é exigida no ambiente hospitalar. O que acaba acontecendo é o isolamento profissional, uma vez que os participantes do grupo não se veem representados pela liderança.

Esse problema demonstra outro desafio histórico: a incapacidade da área de saúde de se entender como categoria independente. Normalmente os profissionais estão pensando na sua própria profissão, e não na área como um todo. Isso faz com que os interesses gerais não sejam defendidos. Ao agir em função da própria profissão de origem, nascem as divergências. Se o contrário acontecesse, o trabalho ficaria otimizado. Os pacientes que precisam de tratamento odontológico obteriam muito mais vantagem, seja no sentido cirúrgico ou clínico.

Conclusão

Ainda existem alguns problemas no desenvolvimento da odontologia hospitalar no Brasil. Para muitos deles não foram sugeridas soluções adequadas, que realmente demonstrem resolver o problema. No entanto, a multidisciplinaridade parece ser um caminho sólido pelo qual os profissionais podem passar, contribuindo para a odontologia hospitalar. Para isso, é necessário que cada vez mais os dentistas compreendam a importância da capacitação.

A odontologia hospitalar deu os passos mais importantes. Conta com normativas elaboradas pelos órgão de fiscalização sanitária e pelo Conselho Federal de odontologia para continuar progredindo. Conforme os profissionais passem a se especializar ainda mais, a tendência é que qualquer paciente odontológico, em qualquer lugar do país, possa contar com tratamento hospitalar quando necessário. O trabalho está na mão dos novos formados na área, que, com a instrução devida, poderão entender a importância de atuar nesses ambientes e lutar para a saúde no Brasil como um todo.

Conheça o curso de Odontologia Hospitalar do CEMOI e saia na frente.